:Paysandu é o primeiro clube denunciado por discriminação homofóbica no Brasil

Paysandu é o primeiro clube denunciado por discriminação homofóbica no Brasil - Tv na Rua - O Portal de Londrina e Região
Paysandu é o primeiro clube denunciado por discriminação homofóbica no Brasil

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) oficializa denúncia ao clube paraense depois de incidentes na partida contra o Luverdense, na Curuzu, pela Série B

Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) confirmou oficialmente, na manhã desta sexta-feira, a denúncia ao Paysandu por desordens e discriminação homofóbica no final da partida contra o Luverdense, realizada no dia 30 de junho, no Estádio da Curuzu, em Belém, pela Série B do Brasileiro. É a primeira vez que um clube do futebol brasileiro é denunciado por preconceito de orientação sexual. O processo está na pauta de julgamento da Terceira Comissão Disciplinar do órgão, agendado para a próxima quarta-feira, a partir das 15h.

Na súmula do jogo, o árbitro gaúcho Jean Pierre Gonçalves Lima informou que nada houve de anormal, porém, com acesso às imagens do confronto, a Procuradoria do STJD identificou confusão e agressões na arquibancada. Por não relatar as ocorrências, Jean Pierre foi denunciado no artigo 266 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) e corre o risco de suspensão de 30 a 360 dias, além de multa que varia de R$ 100 a R$ 1 mil.

O Paysandu foi denunciado no artigo 213, inciso I, parágrafo 1º do CBJD por não garantir a prevenção ou repressão das desordens. Segundo a Procuradoria, “restou evidente que o tumulto, a desordem, a briga generalizada trouxerem riscos à integridade física de torcedores em geral, inclusive verdadeiros torcedores e que nada tem a ver com as práticas delituosas constatadas”. O clube pode ser multado entre R$ 100 e R$ 100 mil e punido com perda de até 10 mandos de campo.

 Banda Alma Celeste apoia o combate à homofobia no futebol (Foto: Cezar Magalhães/Agência Pará)

A denúncia destaca, ainda, que as agressões foram uma represália e teve como motivação atos discriminatórios por conta do posicionamento da Banda Alma Celeste (BAC) contra a homofobia nos estádios. Desta forma, o Paysandu responderá, também, ao artigo 243-G do CBJD, que trata de “Praticar ato discriminatório, desdenhoso ou ultrajante, relacionado a preconceito em razão de origem étnica, raça, sexo, cor, idade, condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência”. A pena é de R$ 100 a R$ 100 mil.

O Papão também corre o risco de perder pontos na disputa da Série B, já que o parágrafo primeiro cita que “Caso a infração prevista neste artigo seja praticada simultaneamente por considerável número de pessoas vinculadas a uma mesma entidade de prática desportiva, esta também será punida com a perda do número de pontos atribuídos a uma vitória no regulamento da competição, independentemente do resultado da partida, prova ou equivalente (...)”. O jogo terminou empatado em 1 a 1.

A confusão iniciou depois do confronto. Um grupo de torcedores, à caminho de deixar o estádio, teria decidido tirar satisfação com membros da Alma Celeste por, além de declarar apoio no combate à homofobia, ter estendido uma bandeira de arco-íris durante o embate contra o Santos, no Mangueirão, pela Copa do Brasil, em maio. A atitude rendeu à BAC o Prêmio Cidadania em Respeito à Diversidade, dado pela organização da Parada Gay de São Paulo.

A equipe de reportagem da TV Liberal, afiliada da Rede Globo no Pará, que fazia a cobertura do jogo, flagrou parte da confusão, que logo foi contida por Policiais Militares presentes na Curuzu (Veja no vídeo abaixo).

 Briga entre torcedores do Paysandu na Curuzu

Em 2014, foi instalado um inquérito por supostas discriminações homofóbicas cometidas pelas torcidas de Corinthians e São Paulo durante uma partida realizada no dia 21 de setembro de 2014, mas o caso foi arquivado por falta de provas.

A reportagem entrou em contato com Alexandre Pires, diretor jurídico do Paysandu. De acordo com ele, a equipe paraense ainda não foi notificada da denúncia por parte do STJD, mas já está preparando a defesa. Ainda segundo Pires, o clube sempre trabalhou com campanhas voltadas às minorias e que não se pode confirmar que o incidente ocorreu em razão de crime discriminatório.

– Nós estamos tratando como um incidente que aconteceu na arquibancada 15 minutos após o final do jogo. O Paysandu sempre tomou todas as medidas previstas no Estatuto do Torcedor, com policiamento e segurança privada, tanto que o tumulto foi logo sanado. Não tem como afirmar se ocorreu homofobia ou não. O clube, por diversas vezes, participou de campanhas não só contra a homofobia, mas outros diversos assuntos, como síndrome de down, autismo, trabalho infantil... Não podemos ser responsabilizados por atos de terceiros. O Paysandu tomou todas as medidas e é isso que vamos tentar demonstrar no STJD.


Visualizações 96
Fonte: Globo Esporte
Por: Redao
Data: 14/07/2017 15h50min


« anterior [1]  2  3  4  5  6  7  8  9  10  11  12  13  14  15  16  17  18  19  20  21  22  23  24  25  26  27  28  29  30  31  32  33  34  35  36  37  38  39  40  41  42  43  44  45  46  47  48  49  50  51  52  53  54  55  56  57  58  59  60  61  62  63  64  65  66  67  68  69  70  71  72  73  74  75  76  77  78  79  80  81  82  83  84  85  86  87  88  89  90  91  92  93  94  95  96  97  98  99  100  101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120  121  122  123  124  125  126  127  128  129  130  131  132  133  134  135  136  137  138  139  140  141  142  143  144  145  146  147  148  149  150  151  152  153  154  155  156  157  158  159  160  161  162  163  164  165  166  167  168  169  170  171  172  173  174  175  176  177  178  179  180  181  182  183  184  185  186  187  188  189  190  191  192  193  194  195  196  197  198  199  200  201  202  203  204  205  206  207  208  209  210  211  212  213  214  215  216  217  218  219  220  221  222  223  224  225  226  227  228  229  230  231  232  233  234  235  236  237  238  239  240  241  242  243  244  245  246  247  248  249  250  251  252  253  254  255  256  257  258  259  260  261  262  263  264  265  266  267  268  269  270  271  272  273  274  275  276  277  278  279  280  281  282  283  284  285  286  287  288  289  290  291  292  293  294  295  296  297  298  299  300  301  302  303  304  305  306  307  308  309  310  311  312  313  314  315  316  317  318  319  320  321  322  323  324  325  326  327  328  329  330  331  332  333  334  335  336  337  338  339  340  341  342  343  344  345  346  347  348  349  350  351  352  353  354  355  356  357  358  359  360  361  362  363  364  365  366  367  368  369  370  371  372  373  374  375  376  377  378  379  380  381  382  383  384  385  386  387  388  389  390  391  392  393  394  395  396  397  398  399  400  401  402  403  404  405  406  407  408  409  410  411  412  413  414  415  416  417  418  419  420  421  422  423  424  425  426  427  428  429  430  431  432  433  434  435  436  437  438  439  440  441  442  443  444  445  446  447  448  449  450  451  452  453  454  455  456  457  458  459  460  461  462  463  464  465  466  467  468  469  470  471  472  473  474  475  476  477  478  479  480  481  482  483  484  485  486  487  488  489  490  491  492  493  494  495  496  497  498  499  500  501  502  503  504  505  506  507  508  509  510  511  512  513  514  515  516  517  518  519  520  521  522  523  524  525  526  527  528  529  530  531  532  533  534  535  536  537  538  539  540  541  542  543  544  545  546  547  548  549  550  551  552  553  554  555  556  557  558  559  560  561  562  563  564  565  566  567  568  569  570  571  572  573  574  575  576  577  578  579  580  581  582  583  584  585  586  587  588  589  590  591  592  593  594  595  596  597  598  599  600  601  602  603  604 próximo »


Hospital do Câncer de Londrina


CONTATO
contato@nossoclick.com
antonio.zaneti@gmail.com
(43)99920-1893



TV Na Rua / CornelioDigtal / BandDigital- 2007 - 2014